sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Não faria diferença dizer que, não escreveria se não quisesse te tocar.
Seria - como é - tolo tentar provar nessas frases, o quanto fico triste quando me ponho a lembrar. Que de mim não queres saber e que por mim não guarda mais sentimento algum.
Se pudesses tu apagarias o passado. E preferiria que nada tivesse acontecido.
Tudo isso eu posso entender, afinal, são coisas do amor, ou da falta dele.
O que me entristece é ter certeza de que: nunca vais lembrar de mim do jeito que te ponha um sorriso no rosto. Do contrário, desejará pra sempre esquecer este que, não te deu todo amor, e que te fez desconfiar.

Mas saibas pelo menos, que por trás de uma superficial alegria,que possa estar estampada em fatos ou fotos, sempre no fim das noites, me ponho a lamentar ter sido tão displicente com tuas lágrimas e com teu coração.

2 comentários:

Um passo além disse...

ser dono da situação, assumir toda a culpa. Será esse o caminho?
Vai saber..

Bier disse...

Continuas sendo um poeta muito puro, meu amigo!

Saibas, há pessoas que jamais descobrem o que perderam. Outras que só descobrem quando já é tarde demais.

Muito triste é pensar que tem gente querendo esquecer um passado. O passdo é um ótimo professor. Querer esquecê-lo é permanecer na burrice, sem evoluir.

Um abraço, cara!